Mediocrização intelectual da sociedade favoreceu fortalecimento da religiosidade no século XXI

O século XXI não era para ter religiosidade. As religiões deveriam ter desaparecido há cerca de 20 anos atrás, com a evolução tecnológica. Comprovadamente incompetente na sua suposta missão de reeducar e melhorar a sociedade, as religiões na verdade nunca passaram de mitologias modernas a entreter um bando de desocupados que prefere entregar a seres fictícios a nobre responsabilidade de melhorar o mundo e resolver os problemas.

Na verdade as religiões existiram para satisfazer de um lado as ilusões de pessoas desesperadas pelos infortúnios da vida. E por outro, lideranças interessadas em transformar estes fiéis em escravos de seus interesses pessoais, inventando a divinização de suas exigências para que essas pessoas não recusassem fazer o que essas lideranças queriam.

É algo aprisionador que nada contribui para a melhoria real da humanidade. Pelo contrário, religiosos mostram que quando contrariados conseguem ser mais belicosos do que qualquer soldado enviado a uma guerra. Esse papo de que religião é amor e caridade é só conversa para aumentar prestígio, rebanho e dinheiro. Quase sempre nesta ordem.

Claro que é preciso a existência de um rebanho de tolos para que as raposas que lideram as religiões possam dominar em nome dos personagens fictícios que consideram divinos. E este rebanho não deve ser muito bem educado, o que significa que se outros tipos de lideranças como políticos e empresários, aliados e cúmplices das lideranças religiosas, devem contribuir para o emburrecimento social criando meios de impedir a intelectualização da sociedade por meio da má qualidade da educação, da cultura e das regras sociais.

E em tempos de emburrecimento coletivo que tornaram o Brasil a terceira sociedade mais ignorante do mundo, nada melhor do que reforçar as ilusões das religiões, sobretudo as cristãs e alienar coletivamente a sociedade que submissa a seres inexistentes, congelará diante de uma incurável inércia que mantem problemas, erros e preconceitos intactos, para a satisfação das lideranças de todos os tipos, principalmente as religiosas.

Claro que há pessoas sensatas que se empenham em a alertar e denunciar os erros das religiões e felizmente isso aumenta a cada dia. Mas os religiosos contam com o apoio de quase toda a sociedade, da mídia e de autoridades e lideranças, o que estimula a teimosia em agarrar um fracasso de 2000 anos de existência.

Século XXI. Quando éramos para avançar, estamos caminhando para trás. Vamos ter que começar tudo de novo...

Comentários

Postagens mais visitadas