Porque muitos não enxergam maldade no Capitalismo

A maioria das pessoas não entende política. O que sabem a respeito é o que lhes chega através de noticiários tendenciosos e estereótipos estabelecidos através de conversas com pessoas comuns igualmente analfabetas em política. A grande maioria não conhece fatos históricos e ignoram a complexidade das relações políticas em que as maiores decisões tomadas nunca aparecem nos noticiários.

Essa ignorância tem feito com que muita gente desenvolvesse uma aversão mórbida ao Socialismo e a ideais de esquerda com base nos boatos em que ouvem falar. Se esquecem que o Socialismo, em sua essência, nunca foi posto em prática e que até os governos petistas eram governos claramente capitalistas, mas moderados.

Mas ao mesmo tempo que se institucionalizou o ódio anti-esquerda, não se observa a existência de uma revolta coletiva contra  Capitalismo. Embora sejam evidentemente os culpados de muitos erros que vemos no cotidiano, os empresários nunca são criticados, sendo frequentemente tratados como homens responsáveis que são incapazes de errar e a quem é entregue a função de cuidar da humanidade e dizer o que deve ou não ser feito.

É muito estranho o Capitalismo ser bem visto, uma ideologia anti-humanista, dedicada exclusivamente a salvar sistemas econômicos e empresas e garantir o acúmulo de bens por parte de suas lideranças, exigindo muito e oferecendo pouco a quem não pertence ao privilegiado grupo das elites, não ser tratado como uma ideologia nociva por toda a humanidade.

Muitos acham tolice dizer que o Capitalismo mataria se fosse necessário. Estranhamente os mesmos muitos que acusam os socialistas de serem sanguinários. A morte causada pelo Capitalismo é silenciosa, discreta, realizada longe dos holofotes, em salinhas pequenas, em lugares abandonados onde vivem indigentes ou em quartos nunca visitados de hospitais públicos. 

A morte já acontece quando o mercado de trabalho só garante o emprego mediante a satisfação de exigências que quase ninguém consegue satisfazer. A morte acontece quando o necessário de muitos é cancelado para garantir o supérfluo de poucos.

Como enxergar bondade em pessoas muito mais preocupadas com o próprio patrimônio e dispostas a forjar crises, arruinando nações inteiras, só porque se acha no "direito" de ter muito mais que o resto da humanidade?

Sim, o Capitalismo é sanguinário. Fere sem cortar e mata sem fazer barulho. Destrói vidas de multidões. Suas regras supérfluas impõem graves limites a satisfação de direitos essenciais das pessoas menos favorecidas. O Capitalismo é egoísta, ganancioso, excludente e sádico. É uma ideologia retrógrada merecedora de sua extinção absoluta.

Haver pessoas defendendo o Capitalismo é um sinal caro de que muita gente ainda não percebeu a necessidade urgente de garantir o bem estar coletivo, cessando muitos problemas. É legitimar a ganância e os abusos cometidos por empresários, executivos e celebridades que cismaram ter mais direitos do que multidões desamparadas. É promover a ditadura do empresariado, já que não existe democracia quando as classes oprimidas são privadas e seus direitos.

Triste ver que um sistema político-econômico tão cruel como o Capitalismo seja bem visto enquanto o Socialismo, uma ideologia que surgiu altruísta mas que foi deturpada por ditadores irresponsáveis em lucrar em nome dos ideais de esquerda seja assim tão odiada.

Vivemos num grande retrocesso. Os poderosos querem transformar a ganância em seu direito irrevogável. Querem proteger seus abusivos privilégios às custas do sofrimento alheio e passar a ideia de que isso é correto e aceitável. E sob o aplauso de muito ingênuos egoístas, a humanidade segue com ricos cada vez mais ricos e poderosos e pobres cada vez mais pobres e abandonados. E aceite isso como forma de dizer que a sociedade está "em perfeita ordem". Uma ordem pra lá de bagunçada.

Comentários

Seguidores

Google+ Followers

Postagens mais visitadas