Autora de novelas "espíritas" se assume como católica

OBS: A-ha! Cada vez mais pegamos traços católicos nesse Espirit(olic)ismo Sincretizado que existe no Brasil! Porque insistem em classificar o Espirit(olic)ismo brasileiro como "Doutrina Espírita" se além de colocar um monte de enxertos inúteis que desmentem tudo aquilo que está na codificação, o responsavel por tal, Allan Kardec, só é lembrado como "cartório" para que seu nome sirva de "atestado" para um monte de tolices infantis que procurando muito bem, não se enontra em nenuma obra assinada pelo mestre de Lion.

E, do mesmo modo que os católicos, agora temos filmes, novelas, músicas, que usam o nome da doutrina, mas sem mencionar de modo sério e científico qualquer ponto da doutrina, apenas usando o nome desta para ganhar dinheiro fácil - que não irá para as pessoas mais carentes, bom lembrar - às custas de seguidores alienados do movimento espírita brasileiro, carentes de tudo e ansiosos por uma doutrina que supostamente os salve.

A autora em questão é a mesma da novelinha Amor Eterno Amor (o texto abaixo se refere à novela anterior da mesma), que, pelo pouco que eu vi - meus pais são seguidores do Espirit(olic)ismo e adoram a novela, onde pensam se tratar de "manual espírita" - quase nada fala sobre a doutrina, sendo uma novelinha como outra qualquer. 

A autora, que se assumiu católica, ao escrever o roteiro da AEA, ela havia prometido "se aprofundar mais" sobre a doutrina, para que "não errasse". Se ela realmente se aprofundou, deve ter lido a obra errada, pois há muito mais de Roustaing do que de Kardec nessa obra. Uma autêntica novela roustanista, para agradar a católica que escreve, os católicos assumidos e os católicos enrustidos (que pensam que são espíritas) que assistem.

Observando os rumos do ME no Brasil, não há nada errado em uma católica escrever uma novela como essa, que inclui um festival de enxertos como: crianças índigo, Ave Maria, passes, etc.,isso tudo numa alucinada salada  heterogênea que serve para contar a historinha de um barbudo confuso, que poderia ser contada sem qualquer interferência de religião nenhuma. A psicanálise resolveria mais os problemas do protagonista do que esse samba do chiquista doido que caracteriza essa novela.

Como novela e obra de entretenimento, a obra é até ótima, com roteiro bem escrito e atuações excelentes. Só é péssima como instrumento de difusão da Doutrina Espírita. Aí, meu irmão (espiritólicos adoram a palavra "irmão"), vai tudo direto em sem escalas para os confins do ralo.

E vem mais chumbo grosso por aí, com novos filmes supostamente "espíritas" nos cinemas, com o objetivo de ensinar tudo errado e arrasar de vez com a doutrina, já estuprada e esquartejada desde o início pela turma da FEB. O mundo vai cair!!!


Autora de novela espírita da Globo é católica


Posted In Audiencia da TV - Por admin Dia: Quarta-feira, Abril 7th, 2010 

Elizabeth Jhin, autora de “Escrito nas Estrelas”, nova novela das seis da Globo, que trará uma história baseada no espiritismo, é católica. “Acredito na existência de um outro plano”, disse à coluna Outro Canal, assinada por Andréa Michael e publicada na Folha desta quarta-feira (7).

“Estou apaixonada pela busca de entender, em qualquer religião, essa transcendência entre os mundos”, afirma a autora que, com 20 anos de novelas, estreia sua primeira obra solo na próxima segunda-feira.

Em mundos diferentes no núcleo principal da novela, Jayme Matarazzo, na pele de Daniel, e Humberto Martins, como Ricardo, amarão a mesma mulher, Viviane (Nathalia Dill).

Na trama, Viviane irá gerar um filho em reprodução assistida pelo médico Ricardo. O sêmen é de Daniel, que deixou o material congelado antes de morrer em um acidente, que acontecerá no primeiro capítulo.

Comentários

Seguidores

Google+ Followers

Postagens mais visitadas