Richard Simonetti ofende ateus, defende a fé cega e roga praga a xará ateu

O que os brasileiros entendem como "Espiritismo" virou uma igreja de fé cega, um Catolicismo híbrido que reconhece a reencarnação, uma seita de mestres autoritários, dogmas sem sentido e fiéis tolos. Tudo como Kardec NÃO gostaria que fosse.

E uma dessa lideranças do que Herculano Pires chamava sabiamente de Seita de Papalvos, Richard Simonetti, publicou um infeliz texto que parece o da defesa de uma igreja. Simonetti aparoveita para fazer proselitismo religioso impondo como "certo" o ponto de vista pessoal no que acredita, sem qualquer tipo de evidência lógica.

Há a costumeira bajulação a Kardec, muito mal interpretado por Simonetti, usada com a intenção de defender o ponto de vista pessoal do líder pseudo-espírita, exatamente como os pentecostais fazem, ao escolher apenas os trechos da Bíblia que os favorecem. Quando Kardec favorece Simonetti, é bom ler, quando Kardec contesta Simonetti, pula. É bom esquecer.

No texto escrito para o Correio "Espírita", Simonetti ofende os ateus, alegando que eles sejam suicidas em potencial. Um grave preconceito que complementa o pensamento de muitas igrejas que transforma ateus em vilões, desrespeitando o nosso direito à descrença em algo sem existência comprovada. É como se condenássemos todos os adultos que não creem em Papai Noel ou no Bicho-papão que vai "pegar" Richard Dawkins (leia abaixo).

Simonetti ainda faz apologia a fé cega ao dizer que a prova é desnecessária para quem crê: "O grande problema é que, como diz a sabedoria popular, para aquele que crê nenhuma prova é necessária; para o que não crê, nenhuma prova é suficiente." Numa doutrina que se pretende racional, uma declaração como essa é um verdadeiro soco que Simonetti dá em Allan Kardec, nocauteado sem dó.

Uma coisa eu tenho a dizer a Simonetti: quando eu estava nesta forma doida de "Espiritismo" que você segue e difunde, eu pensava o tempo todo em me matar. O "Deus" que você defende nunca veio para me ajudar e só me dava desgraça. Somente em 2012, quando eu pulei fora dessa doutrina deturpada pela "Santíssima Trindade" Bezerra-Chico-Divaldo, pude conhecer a esperança, pois neguei esse Amigo Imaginário que vocês chamam de "Deus" e reconheci eu mesmo como responsável único de meu destino. Desisti da ideia de suicídio e, sendo ateu, me considero mais feliz e mais capaz. Muitos ateus, além de mim, são felizes. Pense nisso, Simonetti, antes de falar asneiras.

A visão de Deus que Simonetti tem não é o da Inteligência Suprema de Kardec. Como religioso igrejista, Simonetti, apesar da citação a Kardec, pois a tendência dessas lideranças é de puxar o saco do codificador para obter aprovação, não deixa de dar forma humana a Deus quando ele o compara a um relojoeiro. Divaldo disse que era "perfeitamente correto" acreditar na forma humana de Deus e Simonetti dá sinais de que concorda com isso, exatamente como pensava o seu verdadeiro mestre Jean Baptiste Roustaing. O mesmo Roustaing que Divaldo, Simonetti e muitos outros seguem, mas vivem negando.

Richard Simonetti x Richard Dawkins

Simonetti anda comete um grave erro doutrinário a rogar praga a Richard Dawkins, o biólogo britânico que é atualmente um dos maiores intelectuais do mundo e militante ativo do ateísmo, autor do excelente livro Deus, um Delírio, que põe as mentiras da religiões para rolar ladeira abaixo. Diz, equivocadamente, Simonetti ao seu xará-algoz, fazendo a grave acusação ao biólogo de estimular o suicídio: 

"Quando chegar sua hora, quando convocados à prestação de contas na Espiritualidade, intelectuais como Dawkins experimentarão amargo arrependimento por matarem a esperança que mantinha vivos corações desalentados que entraram pela porta falsa do suicídio, a precipitá-los em dores mil vezes acentuadas."

Simonetti afronta o mesmo Kardec, defendido em parágrafos anteriores, quando ameaça Dawkins se esquecendo que não existe recompensa nem punição no mundo espiritual e que Simonetti sim aguarda uma imensa decepção no mundo espiritual ao descobrir repentinamente que tudo em que acreditava é na verdade uma farsa igrejista feita apenas para garantir poder e lucros materiais às lideranças que as difundem. E Simonetti, que baixaria!!!: rogar praga é coisa de neo-pentecostal fanático! Que coisa feia!!!

Simonetti ofende ateus por considerá-los suicidas em potencial enquanto ignora que muitos ateus são felizes pela ideia de que não precisam de um Velhinho de Barba Branca a resolver seus problemas. Inteligência Suprema não significa a presença de um Deus antropomorfizado. "Deus" pode ser o conjunto das leis da natureza, ainda incapazes de ser entendidas por nós, os humanos, acostumados a personificar todo tipo de causa.

E a maioria esmagadora dos suicídios, Simonetti, são praticadas por pessoas que acreditam em Deus, decepcionados após esperar que o Gigante Invisível atenda os seus suplícios. Talvez seja melhor para evitar suicídios "matar" Deus, para que possamos viver mais e sermos responsáveis pela realização de nossos anseios.

E cá para nós, Simonetti. Se existe neste episódio um Richard equivocado, esse Richard é você. Ricahrd Dawkins está certo. Deus, como as religiões (incluindo a sua, Simonetti) descrevem, é realmente um delírio. Como Descartes disse, a dúvida é o caminho mais rápido para a verdade. Duvidar de Deus é a primeira coisa a ser feita para entender a realidade. 

O Deus de Simonetti é um incompetente que há muitos séculos não conseguiu e nem consegue resolver os problemas do mundo. Se você, Simonetti, está tão certo da existência de Deus, porque não chama "Ele" para se apresentar e provar a "Sua" existência? Ou quer que continuemos acreditando num "Criador" que só vive escondido de suas criações? Se ele vive se escondendo dos seres humanos é porque aí tem coisa. Quem deve, teme.

E só para deixar bem claro: Richard Dawkins é meu amigo. mexeu com ele, mexeu comigo!

Comentários

Postagens mais visitadas