Religiões são onde tem mais mentirosos e farsantes

Dias atrás estava assistindo a um documentário sobre Madre Teresa de Calcutá que revelou que ela era uma farsa, por se limitar a uma caridade muito mal feita (com ambulatórios em condições muito precárias e sem higiene, com direito a reutilização de seringas lavadas em água da bica maltratada) e viver de bajulações a líderes sanguinários. Tudo contradizente ao mito construído em torno da sacerdotisa católica tida como "bondade suprema".

Este documentário me fez pensar muito. Já havia me desiludido com muitas crenças, inclusive o "imaculado" "Espiritismo" brasileiro, cheio de irregularidades que até agora não foram denunciadas por algum formador de opinião, e que por isso segue intocável na sua mania de distorcer a doutrina e fraudar comunicações e fazer caridade paliativa e tosca.

Há muitos casos de farsa nas religiões. A própria mitologia que cerca as religiões é cheia de mentiras, sobretudo a cristã, totalmente construída na Idade Media, um tempo tao distante para nos que não conseguimos entender como a verdadeira fonte de tudo que acreditamos a respeito do Cristianismo, que em si já é uma farsa, pois nem mesmo Jesus era cristão (ele não queria criar ideologias).

Sendo as religiões vários sistemas de lendas e mitos, certamente que nunca tiveram compromisso com a verdade. O fato de felarem em verdade o tempo todo já nos leva a desconfiar disso, pois diz a traição que se alguém é muito preocupado em se parecer com algo, é porque não é este algo. Se as religiões insistem em se associar à "Verdade", é porque não tem verdade nenhuma. Quem é realmente verdadeiro não precisa ficar falando  tempo todo em "verdade".

O mito de bondade agregado a religiosos serve como reforço para a tese de "verdade" pois a maioria das pessoas não consegue admitir que alguém "tãããão bondoso" tenha a capacidade de mentir. Mas mente, começando pela falsa bondade que possui. Bondade que não conseguiu melhorar a sociedade para melhor, mesmo com mais de 2000 anos de existência (e insistência).

Na verdade, desde os primórdios, mas reforçado na Idade Média, a religiosidade tem sido um instrumento de manipulação coletiva, onde líderes religiosos usam a suposta divindade para que pessoas possam satisfazer o interesse particular de seus líderes, através de um conjunto de "leis" inspiradas na interesseira prática da recompensa/punição, que é base de todas as crenças.

Todo mundo sabe que mentiras são uma grande forma de dominação, pois os dominados não estão muito interessados em saber como a realidade é de fato. E religiões, como instrumentos de dominação, dependem do desenvolvimento da ilusão alheia para que pudessem dominar com eficiência.

Esqueçam de uma vez por todas o mito de que as pessoas mais evoluídas estão nas religiões. Não estão. Religiões são mitologias baseadas nas mentiras doces e suas lideranças e integrantes são obrigados a compactuar com mentiras para que as pessoas possam ser submetidas a elas e que o sistema possa manter suas injustiças com maior tranquilidade. 

Até porque distraídos com a falsa bondade de religiosos, podemos, por muitos instantes, nos esquecer das perversidades cometidas por qualquer tipo de liderança, interessadas apenas em usar a suposta divindade para obter e preservar seus privilégios.

Nunca nos enganemos com religiões. Elas não representam a sociedade.

Comentários

Seguidores

Google+ Followers

Postagens mais visitadas