Que lição podemos tirar do "Gospel Espírita"? Só a lição de que nenhuma lição será tirada desse hinário de bobagens

Kardec mencionou que na doutrina não há rituais. Os rituais que observamos nas chamadas casas espíritas são na verdade enxertos de outras religiões colocadas irresponsavelmente e aprovadas pela FEB, que pelo que parece, só está interessada em ganhar muito dinheiro as custas da doutrina.

E um desses rituais há a chamada "música espírita", que recebeu também o pomposo e ridículo apelido de "MPB astral", como se as musiquinhas bestas que falam de amor e esperança para crianças de 5 anos de idade, fossem obras de espíritos na máxima evolução.

Mas como é que esse tipo de música é classificada como "espírita" se nada fala sobre a doutrina, se limitando a canções de amor, esperança, paz. É porque  seus intérpretes seguem a doutrina? Não sei não.

Como esperar algo a ser levado a sério se quase todas as músicas não passam de mensagens bestas sobre esses assuntos, que poderiam ser cantadas em qualquer religião. Vejo algo de extrema semelhança com o que é feito no movimento carismático ou na música gospel. Até prefiro chamar a música dita "espírita" como gospel, pois não vai além do que já é feito pelos evangélicos.

E cadê as referências a doutrina. É muito mais fácil encontrar músicas supostamente espíritas com o conteúdo mais adequado a outras crenças, principalmente a católica. Há até a execução de músicas de temas explicitamente católicos e até de músicas católicas mesmo, nos cultos dedicados à doutrina. Há letras que falam sobre santos e até mesmo sobre Maria, a mãe de Jesus, que definitivamente é algo que nada tem a ver com a Doutrina Espírita. daqui a pouco vão agendar show dos padres Marcelo Rossi e Fábio de Melo para cantarem no início de alguma palestra em algum centro. Sincretismo enrustido, mas explícito.

Os defensores argumentam que a música atrai espíritos evoluídos. Ah, é? Cante uma musiquinha tola que fala sobre paz e esperança que vai atrair espírito tolo que só acredita em paz e esperança, se esquecendo que para vencer na vida é preciso lutar muito. Isso para não dizer de obsessões mais graves.

Melhor evitarmos as músicas espíritas. Elas nada tem a ver com a doutrina. Utilizam-na para se promover e atrair os seguidores. Mas são completamente inúteis para o desenvolvimento espiritual. Algumas músicas até emperram esse desenvolvimento, de tão tolas que são.

Não tiramos nenhuma lição do cancioneiro que se apresenta como representante da doutrina. A única lição que tiramos dela é de não ter que extrair nenhuma lição. Pois nem para exaltar qualquer beleza a música supostamente espírita serve.

----------------------------------------------
OBS: Para refletir um pouco sobre a música, nas palavras de Kardec em suas Obras Póstumas, acrescido do depoimento do famoso e consagrado maestro e compositor Rossini:

Comentários

Seguidores

Google+ Followers

Postagens mais visitadas